"...para com Deus não há acepção de pessoas." (Rm 2:11) - "Deus não faz acepção de pessoas." (At 10:34)
EDUCADOR E PALESTRANTE
Na luta por uma educação inclusiva de alunos com transtorno mental.
Textos
       Um verdadeiro educador, ao assumir o exercício do magistério em uma escola, deve preocupar-se com três atributos essenciais: equidade, integridade e autenticidade. Um professor é equânime quando respeita os direitos de cada aluno de forma equitativa; íntegro quando tem inteireza de caráter; e autêntico quando tem postura em seu modo de ser. As suas atitudes estão relacionadas à equidade; a sua índole está relacionada à integridade; a sua maneira de ser está relacionada à autenticidade. Na equidade percebemos se um professor se utiliza de “dois pesos e duas medidas” dentro da sala de aula; na integridade conhecemos a natureza, o caráter, a essência da personalidade de um professor; na autenticidade vemos a expressão da equidade e da índole de um professor, se ele é falso ou verdadeiro. Esses três atributos de um educador devem servir de exemplo para os seus alunos. Os professores (adultos maduros) precisam expressar a marca da verdadeira Educação a seus alunos (crianças e adolescentes em formação) para que todos possam crescer.
           O professor é equânime quando trata os alunos de uma turma de forma equitativa, sem predileções e discriminações, procedendo da mesma forma nas avaliações.
          O professor é íntegro quando possui um caráter ilibado, mesmo com as limitações próprias do ser humano. O professor é autêntico quando é verdadeiro, tem um procedimento sincero. Um professor somente será equânime e autêntico se for íntegro. Sua integridade é que determinará se ele será justo e verdadeiro. A equidade e a autenticidade do professor dependerão de sua integridade. Um professor que não é íntegro, equânime e autêntico provavelmente contribuirá para a formação de alunos – futuros cidadãos – semelhantes a ele. E esse não o propósito da Educação. Se eu desejo uma sociedade melhor, então devo começar por mim.
           O verdadeiro professor precisa ter três tipos de conhecimento: o conhecimento do conteúdo, o conhecimento didático e o conhecimento emocional. Ter apenas conhecimento do conteúdo de sua disciplina não basta. Mas também é inútil ter conhecimento profundo do conteúdo se não souber contextualizá-lo, relacioná-lo à prática.
          O conhecimento do conteúdo deve vir acompanhado de uma boa didática, fundamental para o efetivo aprendizado dos alunos.
Complementando esses dois conhecimentos temos o conhecimento emocional, que habilita o professor a saber relacionar-se, a ter controle de classe e administrar conflitos dentro da sala de aula. O segredo da didática dialógica está relacionado a três aspectos: boa comunicação, criatividade e dinamismo. A comunicação é a coluna que sustenta a relação pedagógica entre o professor e o aluno. A efetividade da relação pedagógica se dará à medida que a comunicação for mais aberta, construtiva e positiva. Quanto à criatividade e ao dinamismo, é bom que se saiba que professor não é animador de auditório. O professor criativo é aquele que tem a capacidade de encontrar soluções diferentes e originais em face de novas situações na sala de aula. O professor dinâmico é ativo, cheio de energia, que sabe fazer cada coisa a seu tempo.
            Faz bom uso da didática aquele que a conhece bem.
Isso não se aprende com teoria. Se o professor não adentrar as profundezas da didática e relacionar-se com ela diariamente não poderá fazer bom uso dela na sala de aula. Isso não se ensina na faculdade.
           A didática ou a falta dela pode ser usada para avaliar um professor em sala de aula. As notas dos alunos, em geral, refletem isso, expõem os professores. As notas expõem a boa e a má didática. Quando os alunos são reprovados, os professores também são reprovados com eles. Tudo o que os professores são e fazem na sala de aula está relacionado com as notas dos alunos. A didática ou a falta dela é o que os professores plantam. As notas de seus alunos são os frutos. Assim, tudo o que o professor é e faz em sala de aula deve ser repensado quando seus alunos vão mal nas avaliações [que, mal elaboradas, resultam em más notas]. Todos os professores devem aprender a exercitar a didática. Se exercitar sua didática, ele terá algo novo para oferecer aos seus alunos e propiciar-lhes um melhor aprendizado a cada dia.
           Os conteúdos devem ser contextualizados e a metodologia e as técnicas didáticas utilizadas precisam ser diversificadas para que as aulas dos professores não se tornem desinteressantes para os alunos, totalmente improdutivas e entediantes, gerando indisciplina.
            Educar é relacionar-se. Educação, portanto, seja ela formal ou não, é relacionamento.
Quando os conteúdos das diversas disciplinas não conversam entre si e entram nesse relacionamento apenas subjetivamente, como informação, ficam estacionados na lembrança, na memória, até desaparecer. E como relacionamento é entre o aluno, como ser humano, e outros seres humanos e também com a natureza, se o conhecimento aprendido não se tornar em práxis do viver diário, provocará a degeneração de seu viver e, consequentemente, da sociedade em que está inserido. A Educação conteudista é, portanto, um veneno social. E os governantes sabem, se aproveitam e se beneficiam disso como forma de dominação.
           A escola conteudista não se preocupa tanto com o lado humano dos alunos. Não são as matérias que eles aprendem, o conhecimento superficial que adquirem na sala de aula que vão interferir mais diretamente na produção da sociedade na qual estão inseridos, mas o que os forma como pessoas, interiormente, e lhes é passado pelos professores, e o uso que fazem do conhecimento adquirido. Isso, sim, irá ditar suas ações e reações como indivíduos, como cidadãos, como profissionais, e também o relacionamento com seus semelhantes.
           Muitos professores vivem enredados pelas próprias palavras. As palavras, a nossa comunicação, moldam nossas ações e reações, assim como os pensamentos controlam nossas mentes.
A comunicação na sala de aula é de fundamental importância; porém ela não é o fim em si, mas um meio.
O nome, a descrição e o conceito jamais substituem a pessoa, a coisa, o fato. Se o professor permite que sua visão do aluno e sua explanação do conteúdo disciplinar estejam associadas a seus preconceitos, ao que ele acha, isso distorcerá ou impedirá a verdadeira percepção, prejudicando sobremodo o aprendizado. São, portanto, também ruídos na comunicação. Nada é relativo enquanto seja absoluto. As palavras, que deveriam propiciar a percepção pura, passam a ser uma barreira ao aprendizado do aluno. Para explicar aos alunos, o professor precisa observar sem associações. Na observação pura não deve haver interferência do pensamento pessoal, que é limitado.
           A relação pedagógica na sala de aula só pode ser estabelecida e determinada por meio da didática dialógica e de caráter democrático. Mesmo tendo ocorrido uma preparação anterior para a aula, a marca principal da didática dialógica é a espontaneidade, caracterizada pela diversificação e adequação das metodologias ao contexto. Uma de suas vantagens é que, além de prática e dinâmica, ela também é flexível. A boa didática é aquele que desemboca em uma boa prática; e a boa prática é aquela embasada em uma boa didática.
            As avaliações, sejam elas de alunos, professores, escolas, níveis e modalidades de ensino, são formas comparativas de fragmentar o sistema educacional.
A comparação é destrutiva, pois o melhor não é o bom. Comparar alunos, escolas, estados, países por meio de avaliações é uma forma de destruição, de “desEducação”. Medir é corromper. A qualidade e a integridade estão naquilo ou naquele que não precisa ser medido. Ou se é ou não se é. E o que realmente é não pode ser mensurado. Educação não é quantidade, mas qualidade. E qualidade não se mede, pois ela é subjetiva.
           É possível ao professor evitar a comparação no processo ensino-aprendizagem? Como fica a avaliação, se ela é essencialmente comparativa? Os padrões estabelecidos pelo professor para avaliar seus alunos não devem ser comparativos, independente da metodologia utilizada.
           A avaliação ideal dos alunos é aquela contínua, abrangente e contextualizada.

Prof. Maurício Apolinário é gerente de projetos educacionais, licenciado em Letras, especialista em Gestão de Pessoas e Gestão Escolar, e atua como freelancer nas áreas de comunicação e educação. Revisor gramatical.
 Copyright © 2017 Maurício Apolinário, All rights reserved.

LinkedIn: https://www.linkedin.com/in/profmauricioapolinario/
 
Maurício Apolinário
Enviado por Maurício Apolinário em 18/03/2017
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Comentários
"Discriminação e exclusão velada de alunos com transtornos mentais não podem existir em nossas escolas." (Prof. Maurício Apolinário)
..A derrota de Penina Onã Silva
..Simplesmente namorada Maurício Apolinário
.A Arte da Guerra para Professores - 1ª ed. Maurício Apolinário
.Bolinha, meu coelho Maurício Apolinário
.Limites na sala de aula: emoções, atitudes e... Maurício Apolinário
.Um prato de comida Maurício Apolinário
A Casinha de Clarinha Onã Silva
A Literatura das Mulheres da Floresta Autores diversos
A Quadradinha de Gude Onã Silva
A quadradinha de gude - 2ª ed. ampliada Onã Silva
Anjinho minho... mãezinha minha ONÃ SILVA
Bote fé no sindicado, ele tem atitude é fato ... ONÃ SILVA
Céu de gris Sarah Schmorantz
Cordel do trabalhador - do labor ao burnô Onã Silva
Cronistas, Contistas e Poetas Contemporâneos ... Autores diversos
Cuidar e rimar é só começar Onã Silva
Enfermagem com poesia: a arte sensível do cui... Autores diversos
Enfermagem, simbora! Vamos lutar pelas 30 hor... ONÃ SILVA
Estomaterapia: cuidado à fina flor da poesia Onã Silva
Federação Nacional põe o bloco da enfermagem ... ONÃ SILVA
Site do Escritor criado por Recanto das Letras
https://www.facebook.com/pages/Cuidarte-Livros-e-artigos-liter%C3%A1rios/334396023412336?ref=hl